quinta-feira, 29 de janeiro de 2015

Dourado

Não gosto de cachorros, gatos ou peixinhos dourados.
Não gosto de nada que dependa de mim para viver.
Gosto de mulheres...
Elas me parecem independentes.
Não gosto de suas fragilidades.
Elas me parecem mentirosas e odeio mentiras que não sejam as criadas por mim com minha caríssima ração.
Gosto de gente que é capaz de viver a um ou dois degraus acima de mim.
Só assim elas entendem os motivos que me fazem não gostar de um animal dependente de tudo.
Como eu ou os pequenos e frágeis peixes dourados...

segunda-feira, 15 de dezembro de 2014

Sempre

Uma saudade que nunca termina o que é?
Mesmo ciente das suas impossibilidades, dos nossos erros e das suas distâncias e seus muros.
Nunca cessa por quê?
Vou te amar pra sempre até que alguém me ame pra sempre.

segunda-feira, 1 de julho de 2013

segunda-feira, 24 de junho de 2013

Espasmos

Preciso do meu poder de síntese, da minha sensibilidade apurada, de toda a minha compreensão, preciso da minha inteligência, da minha experiência e cultura para entender quando e por que parei de sentir.
Preciso saber os motivos pelos quais, mesmo morto, continuo sonhando com aqueles dias noite após noite durante todos esses anos.
Como se aquilo ainda existisse, como se eu ainda estivesse vivo.
São espasmos luminosos como pequenos choques elétricos que fazem meu corpo tremer enquanto durmo. E acordo sobressaltado, procurando nas esquinas sombrias do meu quarto uma presença que, por alguns segundos, me iluminou.
O que resta de mim são lembranças, e mesmo elas estão se esvaindo.


sexta-feira, 3 de fevereiro de 2012

Azul

Vou te contar um segredo...
E que esse segredo fique guardado apenas entre nós dois.

Quando estou submerso, cercado apenas por minúsculas bolhas de ar que insistem em buscar a superfície, e nada me aflige, nem frio ou calor, nem desejos ou dores, nem teto ou chão, flutuando ao sabor de ondas sonoras que vibram ao menor movimento de meus dedos nadando entre prateados cardumes de letras, prendo minha respiração e por alguns instantes, mesmo que em um claro lampejo insano, perco-me na imensidão azul da possibilidade de mais uma vez mergulhar em você.

quarta-feira, 25 de janeiro de 2012

Was ist schlecht daran, das ist die Lösung

Pouco adianta acreditar que algo está resolvido quando não está.
É definitivo, para certos problemas não existe solução.
Eu disse não existe.
Nem tempo, nem remédios amargos, pílulas, injeções de penicilina ou ânimo.
Nada soluciona.
Então resta-me conviver com isso pelo resto dos meus dias como parte de mim, como carma, ferida, cicatriz, tatuagem ou seja lá como prefira chamar.
Cometi tantos erros que não posso enumerar sem o auxílio de alguns brilhantes matemáticos de Princeton.
Mas...Como não posso simplesmente voltar no tempo, mesmo acreditando cegamente nas teorias quânticas de Steven Hawking, e consertar tudo, fazer tudo diferente, tenho mesmo que aceitar no que vejo quando abro os olhos e seguir em frente como qualquer tolo cambaleante faria ao perceber que não há mais pubs abertos.
Nada está resolvido, nunca estará.
Eis a solução.

quarta-feira, 21 de setembro de 2011

Noturno

Gosto da noite.
Quando todos dormem, sem aviões sobrevoando minha casa, carros zunindo pelas ruas, celulares tocando, visitas inesperadas.
O silêncio da madrugada deixa as músicas mais claras, a escuridão meus pensamentos mais audíveis.
Me encontro em algum lugar secreto que só existe quando perco-me das obrigatoriedades diárias.
Gosto da minha companhia, e de todas as lembranças trazidas pelo minimalista éter noturno.
Gosto do aroma leitoso da noite quando vou a varanda observar a Lua enquanto termino meu derradeiro café.