quarta-feira, 29 de dezembro de 2010

Cartas para Cilla (Fragmentos)

Na minha opinião a justiça traduz a perfeita compreensão de um fato.
Ninguém é totalmente justo ou injusto, todos cometemos nossos erros de interpretação e, por isso mesmo, julgamos de forma errada algumas situações ou pessoas.
A minha justiça baseia-se na troca.
Se dou 1 vintém, quero receber de volta 1 vintém.
Se concordo com alguém mesmo discordando, eu espero que um dia esse alguém faça o mesmo por mim.
Se nego me traiu, eu vou trair de volta, se nego me ofendeu, eu vou ofender também, se nego me apoiou incondicionalmente em alguma situação eu farei o mesmo por ele.
Eu não tenho nada de perfeito, não sou o super-man, não sou o dono da verdade, não sou o “namorado perfeito”, não sou o “homem ideal”, não sou um “sonho de consumo” e nem uma equação resolvida.
Mas sou verdadeiro no que digo...
E se digo que não é justo amar quem não te ama estou sendo apenas honesto.

(...)

5 comentários:

Maíra disse...

Verdades sobre senso de justiça, pelo menos a meu modesto ver isso é sim justiça.

Bjokas

Glaucia disse...

A justiça as vezes é baseada não só na troca, mas na sabedoria de saber que as vezes é mais justo não dar em troca o que é merecido, não chgo a pensar no extremo de oferecer a outra face...
Mas pensando bem, o que faz uma pessoa que ama e não recebe o amor em troca, senão oferecer a outra face?
Se é justo ou não, honestamente não sei a resposta, só sei que é dolorido demais...
Bj
Glaucia

Ana D disse...

Meu slogan racional é ( e ja escrevi a respeito): AMOR necessita RECIPROCIDADE...Nem sempre alcançada...E quando não a temos ainda assim amamos...O que fazer ? rs

Marcelo disse...

Pois é, como eu disse num texto abaixo "O amor não é cego, ele é retardado".

Ana D disse...

Amém que a mocinha sortuda seja apresentada em breve rsrs...Torcendo;)